domingo, 9 de setembro de 2007

O Maior Show da Minha Vida

Quem são Rolling Stones, U2 ou Teatro Mágico? A banda responsável pelo maior show da minha vida foi a ISOLDINA! Venho trabalhando com essa turma na direção de palco e preparação corporal, juntamente com a equipe da Val Tinoco (uma megaexperiente produtora musical), Carol Ghelli (cantora talentosa e fonoaudióloga dedicada), Rodrigo Fraga (com seus figurinos super criativos) e Fernando Pacheco (artista plástico que dispensa comentário). Mas não é por isso que idolatro esse show. Coloquei esse título porque faz muito tempo que não vejo uma energia tão contagiante vindo de uma banda como pude presenciar nesse dia primeiro de setembro. Tudo foi emocionante.

Mas para contar essa história, tenho que começar horas antes quando filmava e já estava atrasado para o show. Eu tinha combinando que ligaria para Val quando estivesse chegando a Sete Lagoas. Lá teria uma van para me levar para o local. Confiando nisso eu não peguei o endereço de nada. Só que foi aí que começou a complicação. A banda estava num paraíso chamado “Águas do Treme” (nome que vim saber só depois), onde não pega sinal de celular.

Perguntei para dez taxistas se eles sabiam de alguma coisa acontecendo por perto da cidade. Recebi sete “não!”, dois “sei lá!” e um “não sei não, sô!” Foi foda! Mas aí eu tive a brilhante idéia de encontrar uma lan house para entrar no site da empresa patrocinadora do evento. No site não tinha informação. Quando já caminhava cabisbaixo pensando o que ia fazer com as sete lagoas daquele interior, um bip despertou no meu celular. Uma mensagem: NÃO SAIA DAÍ! UMA VAN ACABA DE SAIR PRA TE PEGAR! Deus existe! Mas ainda eu estava ansioso porque já eram 21:20 e a banda já devia ter subido no palco.

Tomei um chopp escuro na rodoviária e busquei me distrair olhando para uma TV que transmitia sei lá o quê. Cada minuto parecia horas. Foi quando eu recebo uma ligação do Cesar (sócio da Val) que caminhando rápido pela rodoviária, me perguntava onde eu estava. Corremos para a van e no caminho tentamos nos distrair com assuntos de bastidores do mundo artístico. Mal chegamos lá e eu saltei em direção ao show. Uma recepcionista tentou me impedir, mas o Cesar voou na frente dela gritando: Ele é da ISOLDINA! Ele é da ISOLDINA!

Joguei a minha bolsa para a recepcionista enquanto me jogava no meio daquela energia contagiante. E era tão contagiante que em menos de vinte segundos já ouvia o Ramyan e o Ramaya (filhos do Marcos e da Zigma e também patrocinadores da banda) me agradecendo pelo meu trabalho. E em troca eu agradecia pelo valor que eles deram para a banda. Também veio a Val (um anjo em forma de gente) me dar um grande abraço, e quando assusto já estou abraçado com o André (vocalista da banda) que veio cantar do meu lado. Mais tarde veio também o Alex (compositor e o outro vocalista) para um cumprimento bem rock’n’roll e ainda pude ver o Marcelo (baixista) fazendo um sinal de positivo lá no palco.

Confesso que dancei, cantei, pulei, gritei e me emocionei com as oito músicas que ainda tive tempo de ouvir e principalmente com o fechamento do show ao som de "Somos assim". Que energia! O André alcançando notas tão altas que parecia chegar a outra galáxia. Alex cantando com a energia alquimista que transforma silêncio em ouro. O Marcelo adestrando seu contrabaixo para fazê-lo tocar sozinho. O Alexandre pisando na caixa de som para fazer a sua guitarra chorar. O Rafa com a emoção na flor da pele que dá choque na própria eletricidade musical e o prodígio menino Rudigo mostrando como se toca uma bateria como gente gigante!

Esse foi o primeiro show com a nova cara da banda. E pensar que tudo começou com uma turma de atrevidos que só tinham a pretensão de fazer músicas para eles ouvirem. Agora, eu espero que eles tenham a certeza de que, se o mundo não acabar amanhã, eles vão metralhar o ouvido desse planeta com um som pop-rock envolvente e inteligente. O primeiro CD com músicas próprias já vai sair em outubro. O site já está quase pronto. No fim do ano já tem show para mais de sete mil pessoas. A competência da Val e da sua equipe é infalível. A simplicidade e humildade desses músicos, com a graça de Deus, nunca será perdida. E o coração de todos nós que estamos envolvidos, batem o mesmo ritmo musical. É com muito orgulho que eu já me sinto membro mais que afetivo dessa família da pesada. E ela se chama ISOLDINA!!!!!!!!

16 comentários:

Chris Herrmann disse...

Não há dúvidas pelo que você contou, essa turma é SHOW!!
Espero poder um dia assistir ao vivo e a cores o trabalho dessa verdadeira família.
Beijos,
Chris

vanilza disse...

Me senti nessa viajem... sua colocação me levou a cada lugar em que esteve, como se tivesse vivenciado cada sentimento seu. Impressionante como descreve coisas e faz com que seja real para quem nunca vivenciou. Adimiro seu poder de fazer "o outro" invadir as letras e as tornarem vivas.

Shelmer Gvar disse...

Eles são tudo isso mesmo, Chris...
Val, obrigado pelo carinho. Mas um texto só se torna bom quando tem uma leitora atenta e sensível como você.
Beijos na alma

Betty disse...

nossa da vontade de viver ao menos uma pontinha da aventura
Que a vida sempre lhe traga muitas destas pois assim vale a pena viver sempre
beijus eTernos

Marcelo disse...

Shel,
D� pr�xima, me chame.
Adoro compartilhar essas aventuras.
rsrsrsrsrs
P.S. Deus existe para aqueles iluminados como voce!
Bjs na alma

Grazy disse...

Nossa que delicia de texto Shelmer... que vontade de estar nesse showwww!!!!!! Deve ter sido no mínimo... o máximo!!!! rsrsrsr Saudades de vc linduxo!!!
beijos

Deusa Assis disse...

Adorei!!!! Muito bom!!!! Tenho que te dar parabéns pelo trabalho brilhante que esta sendo feito!

Um abraço

Deusa Assis

Carol Ghelli disse...

Lindo,

A sua sensibilidade à flor da pele lhe permite expressar os nossos melhores sentimentos e emoções!!!
Texto tocante!!!

Saiba que é um prazer trabalhar ao lado de um profissional super competente quanto você; e compartilhar experiências e valores da nossa família ISOLDINA!!!

Beijocas musicais,
Carol Ghelli.

Sil disse...

Sabe que voltando aqui após alguns dias da árdua construção do blog (rs) eu o vi com olhar de leitora e ele tá mesmo sensacional? Um blog único: com conteúdo, sem exageros e diferente. Parabéns mais uma vez! E vou ver se mudo a hospedagem do meu site, que sai toda hora do ar... Beijos!

Wil disse...

Num outro momento pude me sentir no show da Isoldina, “dançando, cantando, pulando”...vibrando com cada um dos acordes das oito músicas que nunca ouvi e pensando em como deve ser a tal da voz de “energia alquimista que transforma silêncio em ouro” e as “notas tão altas” que parecem alcançar “outra galáxia”. Suas palavras também possuem ritmo, artesão das letras, compositor da alma.

Beijos, Shelmer. Nunca deixe de compor.
Bom fim de semana!
Wilza.

Wil disse...

Shelmer, do começo ao fim do conto de sua aventura, você conseguiu transmitir uma emoção muito boa e me contagiou com a riqueza do que escreveu, porque não faltou alma em suas palavras. Só o que é escrito desta maneira consegue me tocar.
No trecho em que fala que já começava a cogitar sobre o que fazer com as sete lagoas de Sete Lagoas, deu pra sentir seu desespero. Fiquei imaginando como teria sido esta história caso não chegasse ao destino que desejava, mas quase pude apostar que você inventaria alguma coisa que fizesse da perda daquele rumo um achado gratificante. Pessoas criativas sempre conseguem arquitetar um “plano B”, fazer “limonada com a acidez da vida, “castelo com as pedras que surgem no caminho” etc. etc . etc. O que será que seria? O que você faria? rs

Wil disse...

Num outro momento pude me sentir no show da Isoldina, “dançando, cantando, pulando”...vibrando com cada um dos acordes das oito músicas que nunca ouvi e pensando em como deve ser a tal da voz de “energia alquimista que transforma silêncio em ouro” e as “notas tão altas” que parecem alcançar “outra galáxia”. Suas palavras também possuem ritmo, artesão das letras, compositor da alma.
Beijos, Shelmer. Nunca deixe de compor.
Bom fim de semana!
Wilza.

Wil disse...

Shelmer, por favor, caso aceite o comentário que fiz, pode verificar a ordem de chegada? Uma parte deverá ser dispensada. É que o "uso do cachimbo deixou minha boca torta" e devido ao vício do orkut, acho que inverti os mesmos.
Obrigada. Um beijo.
Wilza.

P.S.: Acho que ficou meio extenso também. Se quiser eu posso tentar reformular pra diminuir.

Shelmer Gvar disse...

Will,
Como homenagem ao seu carinho, eu vou deixar todos, ok? Extenso é aquele caminha, caminha e só caminha...

Rogeane disse...

Estive lá contigo em cada momento, senti um frio na barriga por medo de não conseguir chegar...Visualizei cada lugar, pois os conheço bem, e o vi em cada um deles.Explodi na mesma emoção que você ao chegar ao local do show...E agora pela riqueza das descrições quero sentir toda essa emoção ao vivo!!!Onde posso assistir à Isoldina?
Parabéns você consegue fazer com que o leitor sinta a emoção de estar vivenciando o fato!!!!

Wil disse...

Eu é que tenho que agradecer pelo carinho, Shelmer.
Um beijo. Ótimo domingo!